Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


17
Nov06

crimes of passion

por Vieira do Mar

Chegaste-me à hora marcada e eu, no meu quarto, enfeitada de alegria e de rendas minúsculas, a cobrirem pouco mais do que púbicas hesitações. Ontem, foi dia da independência, do fim da monarquia, de velas aos mortos, de insurreições vitoriosas e ditaduras vencidas. Foi noite de bordel, de boudoir, de brocados vermelhos, de reposteiros pesados a esconderem a rua e de biscuits a alcovitar à sombra dos psichés. No meu quarto, onde o Amor não resistiu a se despojar das conveniências. Mapeei-me os contornos da cara com maquilhagem carregada, que tu esborrataste de forma artística, respingando o teu desejo pela ponta dos dedos, até o meu corpo se tornar abstractamente expressionista e a tua loucura se aproximar da minha. Houve cambalhotas e pinos no soalho velho e encerado, até à exaustão da Verdade. Pela manhã, fizemo-nos à Mentira como quem chegasse à ponta da prancha de um navio de piratas: o ter de ser a impôr-se à vontade das arrecuas. De repente, nos teus olhos então ainda de riso, a lembrança de um corpete riscado que eu um dia me pus e que tu desapertarias colchete a colchete até a tesão se tornar tão insuportável que esmoreceria, sendo substituída por dois bifes à trindade. Amor pago, o nosso. Mas pago com a mentira árida do dia seguinte, um dia comum, agradável e fácil de levar, com os seus carinhos fingidos e sorrisos presos entre os dentes, como restos de comida. Ontem, fiz-me de tua puta preferida e, no entanto, foi comigo que foste de graça.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Um blogue de Sofia Vieira

Reservad@s todos os Direitos de Autor. O conteúdo deste blogue encontra-se registado no IGAC, sendo proibida a sua reprodução sem autorização e/ou menção da proveniência e autoria.



Favoritos



"Quero escrever-te até encontrar onde segregas tanto sentimento" Adélia Prado